Postado em 10 de Maio de 2019 às 08h36

Maternidade compartilhada com a vida profissional

Inspiração (15)

O amor de mãe é como uma plantinha semeada. Durante os nove meses de gestação, até dar à luz, cria raízes e cresce. Mas muito antes disso e após também, diversos sentimentos cercam o coração dessas mamães. São medos, preocupações e sonhos, que fazem o sentimento materno vivenciar o verdadeiro amor.

Nos dias de hoje, além de prestar atenção no desenvolvimento dos filhos, as mães dividem o tempo com o cuidado da casa e a vida profissional. A mãe moderna, como é conhecida, é de fibra e muita energia. Aqui no Grupo Servioeste, são várias mães com essas características que compõem o quadro de funcionários.

Uma delas é Andréia Fidencio. Assistente de faturamento da empresa, a colaboradora tem duas filhas, de idades diferentes. Andrelise de 17 anos e Ana Carolina de três anos.

A primeira filha não foi planejada. A gravidez foi descoberta após passar mal e ir para o hospital. Na época tinha 18 anos. “Por ser a filha mais velha da família, tinha que dar exemplo para as minhas irmãs. Quando me vi grávida foi assustador, porque não trabalhava na época e não tinha muita responsabilidade”. Além disso, aos sete meses de gestação terminou o noivado e prosseguiu com a maternidade sozinha. “Até os três anos da Andrelise, morei com meus pais. Depois conheci outra pessoa e passei 10 anos com esse companheiro”. Porém, os sonhos de Andréia se tornaram diferentes do dele e o noivado não seguiu em frente. 

Em 2010, decidiu se mudar de Uruguaiana/RS e vir para Santa Catarina. Dois anos depois conheceu o pai de Ana Carolina, que a levou a adotar Chapecó como um novo lar. “A pequena foi totalmente planejada. Conversei com meu marido no final de 2014 sobre ter um filho no ano seguinte. Ele aceitou e assim a Ana apareceu em nossas vidas”. Apesar de todo o amor cultivado durante a gestação entre a família, a necessidade de trabalhar, tanto para ajudar nas despesas da casa, como por prazer, não permitiram que ficasse muito tempo em casa. Desde os dois meses de idade, a pequena foi para a escola em tempo integral. Andréia conta que ela ficou até o fim do ano passado nessa rotina, agora vai só meio período e o outro fica aos cuidados da avó paterna. 

“Eu escolhi trabalhar para dar um conforto melhor para minhas filhas e isso é compensador. Mas, as vezes o coração fica apertado, principalmente quando deixo a Ana chorando na escola”, revela, com os olhos marejados. 

Como forma de retribuir essas horas longe, ela se dedica exclusivamente às filhas quando chega em casa. Auxilia nas tarefas e brinca com a menina mais nova.

“Quando estamos nós quatro juntos, tudo é feito em conjunto. Jantamos, almoçamos e tomamos o sorvete de domingo como um quarteto”, ressalta a mamãe Andréia. 

Amor na essência

Quem também divide a vida profissional com os cuidados maternos é Kenia Lamp, colaboradora do setor comercial da Servioeste. Mãe solo, teve Caetano com 21 anos. Na época era casada e sua gravidez foi planejada junto de seu companheiro. Porém, o relacionamento com o pai do menino não prosseguiu e a família se tornou só a mãe e o filho. “Somos só nós dois. Temos bastante abertura para falar um com o outro e isso é o mais importante entre mães e filhos hoje em dia”, explica ela.

Há quatro meses em Chapecó, os recentes moradores ainda estão se adaptando com a mudança de vida. “É uma coisa nova para os dois e a gente se adapta conforme o andar da carruagem”, brinca. “Antes, morava em Catanduvas/SC e a diferença era que tínhamos uma casa tão grande que pouco nos víamos. Agora, o apartamento que moramos é menor, o que proporciona estarmos sempre em contato”.

Toda essa interação entre os dois faz ela avaliar o quanto o jovem de 15 anos amadureceu nestes poucos meses. “Ele se tornou responsável por tarefas da casa, ajuda na limpeza e organização e estuda bastante. São atitudes que ele não tinha antes”, reflete orgulhosa. 

Mas além dessas atividades rotineiras, as horas vagas são reservadas para o lazer em conjunto. São passeios no shopping, jogos de futebol na TV, filmes e livros. Kenia entra um pouco no mundo masculino do menino e ele no mundo feminino dela.

 “Todo dia eu aprendo com ele o verdadeiro amor. Ser mãe é doação, questão de estar junto nos momentos bons e ruins, compartilhar verdade, transparência, sinceridade. Ter amor na essência”, define ela, emocionada. 

Um surpresa especial

Na manhã desta sexta-feira (10/05), quando o ônibus que transporta os funcionários da Servioeste estacionou no pátio e todos desceram para iniciar o dia de trabalho, as mamães tiveram uma surpresa. 

Na recepção da empresa, um mural um tanto especial foi montado com fotos dos filhos. A homenagem emocionou e arrancou sorrisos das mulheres que compartilham a vida profissional com o amor materno. 

Veja também

Homenagem aos que se foram29/11/17Completando um ano da tragédia que assolou Chapecó, artistas se reúnem em torno da Arena Condá para eternizar uma homenagem ao time. No dia 29 de novembro de 2016, Chapecó amanheceu de luto. A aeronave que transportava a delegação da Associação Chapecoense de Futebol à Colômbia sofreu um acidente e, das 77 pessoas a bordo, apenas seis foram resgatadas com vida. Equipe técnica, empresários, conselheiros convidados e imprensa local viajavam juntos para o jogo contra o Atlético......
Empresário catarinense é condecorado em Nova York25/07/19 Presidente do Grupo Servioeste, Doacyr Balbinot recebe prêmio The Winner Awards pelo destaque em empreendedorismo O empresário catarinense, presidente do Grupo Servioeste, Doacyr Balbinot, recebeu no dia 20 de julho, em Nova York, nos Estados......

Voltar para Blog